Água do mar está mais fria no Algarve do que no Minho (e já se sabe porquê)

Nas regiões mais a sul do país, em especial na costa ocidental mas mesmo em algumas zonas do Algarve, a água do mar está mais fria do que no norte do país.

A culpa, escreve o Diário de Notícias, é do vento norte que tem soprado com mais intensidade a sul do cabo Carvoeiro o que provoca o afloramento costeiro, levando as camadas de águas mais profundas, e mais frias, a subirem até à superfície junto à costa. Apesar de poder ser desagradável para os banhistas, gera nutrientes e agrada aos peixes.

Em Lisboa, na praia de Carcavelos, a temperatura da água do mar será de 15 a 16 graus Celsius para este sábado. Mais para sul, a Costa da Caparica regista 16 graus, enquanto em Porto Covo a água está ao mesmo nível de Lisboa. No Algarve, onde por norma a temperatura é mais elevada, por estes dias isso não se nota quando se entra no mar.

Albufeira tem uma previsão de temperatura de água do mar de 16 a 17 graus para este sábado. Armação de Pera tem 16 graus, tal como a praia do Vau, em Portimão. A praia da Luz, em Lagos tem previsão de 15 graus de temperatura da água. Nestes concelhos, o vento sopra de norte/noroeste. Só nos concelhos em que a influência do Mediterrânico é mais imediata, com vento de sul ou sudoeste, é que a temperatura da água sobe, como são exemplos Faro, com 18 graus, ou Tavira com 18 a 19 graus.

A norte, os números mostram temperaturas da água mais elevadas. Viana do Castelo apresenta um registo de 17 graus de temperatura da água do mar à superfície. Em Ofir, Esposende, um pouco mais a sul, a temperatura ainda é mais alta, atingindo os 18 graus e na Apúlia, no mesmo concelho do distrito de Braga, as previsões são de 19 graus na água do mar. Em Matosinhos, junto ao Porto, oscila entre os 16 e os 17 graus.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) não tem grande preocupação em controlar a temperatura da água do mar.  Em termos gerais, trata-se de um fenómeno conhecido como afloramento costeiro ou up-welling.

“Quando o vento está de norte, na costa ocidental, empurra a camada superficial da água do mar. Com isso, a camada de água mais profunda vem à superfície junto à costa”, explicou a meteorologista do IPMA, Paula Leitão. Assim, a água fica mais fria. A norte, “tem havido muitos dias com nebulosidade e vento pouco intenso”, o que trava a subida até à costa das camadas mais frias do mar.

A norte do Cabo Carvoeiro não tem soprado vento com intensidade, ao contrário das regiões a sul, em que as nortadas têm sido frequentes. Desta forma, a costa ocidental mais a sul, até ao Algarve, regista uma temperatura da água do mar mais baixa do que habitual. No norte acontece o inverso com temperaturas um pouco mais altas.

Para os banhistas, a água mais fria não é muito apelativa, mas, para os pescadores, a situação é diferente. O peixe procura estas águas mais frias. “A água mais fria, à superfície, é também mais rica em nutrientes o que é bom para o peixe. Há mais peixe, sobretudo sardinhas”, adianta Paula Leitão.

As previsões para os próximos dias indicam que o vento irá diminuir a sul, prevendo-se também um pequena subida da temperatura. Sábado será um dia com menos vento e, ao final da tarde, o norte ficará com o céu nublado. À noite, o Minho já deve ter chuva fraca. No domingo haverá nevoeiro e nebulosidade, com alguma chuva fraca.

ZAP //

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here